Encontre-nos nas redes sociais: icon

Psicoterapia

Afinal, o que é Psicoterapia?

"Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana." (Carl Jung)


A Psicoterapia é um processo que utiliza de diálogos sigilosos e construtivos, reflexões, apontamentos, intervenções, brincadeiras, desenhos e histórias com o objetivo de ampliar a consciência e possibilitar o acesso a novos canais de comunicação, contribuindo para a mudança de padrões cristalizados e de modelos de relações que não estejam mais sendo saudáveis ou úteis - seja para o indivíduo, para a família ou para o casal.

Oferece um lugar/tempo/modo privilegiado para que ocorra uma melhor elaboração daquilo que vem sendo motivo de crises pessoais, conflitos conjugais e familiares, transtornos psicopatológicos, crises existenciais e de qualquer sintoma que esteja sinalizando algum problema e sendo motivo de sofrimento. É um processo de transformação!


Psicoterapia Infantil

"O Brincar é sempre uma experiência criativa, de continuidade espaço-tempo, uma forma básica de viver. O Brincar é por si mesmo uma terapia!" (D.W. Winnicott - O Brincar e a realidade, 1975)


A Psicoterapia Infantil possibilita um espaço que é só da criança, no qual ela pode expressar seus sentimentos, seus medos, sua insegurança através dos jogos, do desenho, das histórias que ouve e compartilha e das brincadeiras. Nesse ambiente seguro e protegido, a criança vai, aos poucos, mostrando o seu mundo, seus desejos, inquietações e fantasias ao psicoterapeuta.

Como saber se uma criança precisa de terapia:

É muito complicado dizer ao certo quando uma criança precisa de terapia sem ter um contato mais próximo e regular com ela. No entanto, devemos estar atentos a crianças que mantém um padrão de comportamento muito agitado, que se irritam facilmente, que apresentam muita dificuldade de seguir uma rotina, que não sabem obedecer, que não conseguem se concentrar ou focar sua atenção em alguma brincadeira ou tarefa. Crianças que não demonstram suas emoções, ou as demonstram de forma inapropriada para a idade ou situação, que não conseguem se relacionar socialmente, que não brincam, que estão sempre tristes e sozinhas, que não conseguem acompanhar o desenvolvimento dos coleguinhas podem estar, por meio destes sintomas, sinalizando que algo não vai bem. O ambiente no qual a criança está inserida, os tipos de cuidados que ela vem recebendo, o relacionamento com a escola, o modelo de relacionamento dos pais e/ou responsáveis, enfim, todo o contexto deve ser analisado. Na dúvida, entre em contato com um/a psicoterapeuta infantil ou com alguma pessoa especializada (como o/a pediatra da criança) para melhor compreender o que vem acontecendo com ela. Uma criança olhada e acolhida poderá desenvolver defesas saudáveis e, assim, aos poucos abandonar os sintomas.

Orientação de Pais e/ou Cuidadores:

Nas sessões de orientação serão trabalhadas as dificuldades de quem cuida e educa a criança. Procuramos compreender os sintomas das crianças/adolescentes, identificar os reflexos no contexto familiar, social e escolar e por meio de conversas, sugestões, orientações vamos discutir alternativas para melhorar a relação, o diálogo e os comportamentos tantos dos pais/cuidadores, quanto das crianças.
É importante ressaltar que todo sintoma é uma forma de comunicação. Sendo assim, o sintoma da criança foi a forma encontrada por ela para contar uma história sobre seu problema, sobre o que não vai bem, sobre um sentimento que não consegue elaborar. E como os filhos são metáfora dos pais, nada mais justo que inseri-los no processo, tanto em sessões de família, junto com as crianças/adolescentes, como em sessões individuais. Nas sessões de orientação serão trabalhadas as dificuldades de quem cuida e educa a criança. Procuramos compreender os sintomas das crianças/adolescentes, identificar os reflexos no contexto familiar, social e escolar e por meio de conversas, sugestões, orientações vamos discutir alternativas para melhorar a relação e os comportamentos inadequados tanto dos pais, quanto dos filhos.


Psicoterapia Familiar

Indicada quando a demanda trazida ao consultório envolve algum tipo de conflito vivenciado por todos os membros, como por exemplo questões típicas de adolescentes, quando há a ocorrência de uma doença física crônica na qual necessita da ajuda de todos os familiares (ex: câncer, Alzheimer, esquizofrenia), quando ocorre alguma crise em decorrência de separação ou divórcio, saída dos/as filhos/as de casa, aposentadoria, novo casamento e sintomas apresentados em função do contexto familiar. Nestes casos, é mais eficaz trabalhar não apenas com uma pessoa, mas com o conjunto das relações em que esta se inscreve, possibilitando que os membros da família reconheçam e fortaleçam os recursos saudáveis de cada um e que busquem, juntos, as melhores soluções para seus problemas e conflitos.

A proposta é que toda a família seja avaliada e se engaje na mudança de comportamentos de seus membros ou de um dos seus membros. Sabe-se que muitas das vezes não é possível reunir todos os membros da família em uma só sessão. Assim, as sessões serão realizadas dentro das possibilidades de cada caso, com todos os membros juntos ou com partes destes por meio de revezamento. O terapeuta familiar não tem a função de "solucionar" os conflitos, mas de atuar como um mediador, buscando ampliar e aprimorar os canais de comunicação entre os membros, mostrar novas formas de resolução de conflitos e propiciar um espaço saudável de compartilhamento.


Psicoterapia de Casal

Neste modelo de psicoterapia ambos os parceiros participam, tendo o foco a interação e as dificuldades específicas que eles estão vivendo. Ela pode auxiliar o casal a encontrar melhores maneiras de solucionar problemas vivenciados no casamento, no namoro ou no noivado, que estão relacionados às questões sexuais, emocionais, desequilíbrio de funções, criação de filhos/as, carreira, dinheiro. Na psicoterapia de casais trabalha-se para descobrir onde as coisas estão indo mal e procurar modos de melhorar. Não é uma fórmula mágica que irá "consertar" as coisas, mas um canal para o casal entender melhor suas dificuldades e trabalhar em cima delas. O psicólogo ajuda os parceiros a identificarem os pontos de conflito dentro da relação e a determinar quais as mudanças desejáveis, sejam no modo de se relacionar, sejam mudanças individuais. Certas questões individuais que interferem no namoro, noivado ou casamento, como o ciúmes ou parceiros que foram abusados ou sofreram um trauma, por exemplo, requerem sessões individuais além das sessões conjuntas.


Hipnose Ericksoniana

A Hipnose, neste contexto, trata-se de um estado alterado de consciência e percepção, de profundo relaxamento, no qual o consciente e o inconsciente podem ser mais facilmente acessados por ficarem mais receptivos à sugestão terapêutica. São utilizadas histórias terapêuticas, metáforas, exercícios de projeção e de respiração.

O trabalho hipnótico facilita a descoberta de novas opções na vida e a quebra de padrões de sentimentos e comportamentos indesejáveis, sendo, desta forma, uma ferramenta muito útil dentro do processo psicoterapêutico.


Psicodrama

Segundo a FEBRAP (Federação Brasileira de Psicodrama), Psicodrama pode ser definido como uma via de investigação da alma humana mediante a ação. Trata-se de um dos métodos de investigação e tratamento de problemas psicológicos criados pelo médico romeno Jacob Levy Moreno e tem como base teórica elementos teatrais, como a representação de papéis, dramatização de cenas vivenciadas pelo cliente, utilização do corpo para demonstrar as emoções e os conflitos inconscientes, etc. Possibilita que o cliente investigue de forma espontânea e sem tantas defesas os papéis aos quais vem representando em suas relações.



Alguns Motivos Para Iniciar o Processo Psicoterapêutico

"Mude, mas comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade. Mude, lembre-se que a vida é uma só, experimente coisas novas, troque novamente, mude de novo, experimente outra vez. Você certamente conhecerá coisas melhores e piores do que as já conhecidas, mas não é isso que importa. O mais importante é a mudança, o movimento, o dinamismo, a energia. Só o que está morto não muda!"
(Edson Marques)


Segundo Irvin Yalom, psiquiatra americano, existem alguns motivos que podem ajudar a identificar se está na hora de procurar um terapeuta, dentre eles:

• VONTADE: Só esse motivo já é suficiente para você, pelo menos, procurar um profissional. Ter vontade de fazer psicoterapia é fundamental para o sucesso de qualquer tratamento desse tipo, pois para mudar o que está incomodando é preciso cooperar com o processo e se dispor a falar, ouvir e refletir sobre suas questões mais internas e subjetivas.

• SEUS PROBLEMAS SÃO SEMPRE OS MESMOS: A gente pode não perceber, mas acaba repetindo o mesmo padrão de comportamento na maioria das situações. Sem notar, caímos nas mesmas armadilhas, nos mesmos tipos de relacionamentos, reproduzimos os mesmos erros. A psicoterapia pode ajudar a encontrar os 'nós' e as 'dobras' que te impedem de fazer diferente e que contribuem para te manter no mesmo lugar de sofrimento.

• DESEJO DE MUDAR: Se você sente que alguma coisa está te incomodando, você terá que decidir se continua a caminhar com este incômodo, ou se tenta mudá-lo. Mexer nos seus sentimentos não é fácil e pode causar um grande mal-estar, principalmente no começo. Mas com um pouco de paciência e apoio especializado dá para superar esse desafio e ainda sair dele com mais força para seguir adiante.

• NECESSIDADE DE SE CONHECER MELHOR: A terapia pode te ajudar a enxergar os seus sentimentos, sejam eles de tristeza ou de alegria, do tamanho exato que são. Também pode te ajudar a entender quais são os padrões de comportamentos que vem repetindo, por que você fica tão arrasada/o quando recebe uma crítica, por menor que ela seja, ou por que se sente tão desconfortável quando ouve um elogio, por mais merecido que ele possa ser.

• DESEJO DE AJUSTAR AS SUAS VONTADES: O processo psicoterapêutico pode ajudar você a desvendar o que realmente quer, o que nem sempre coincide com o que quer o seu pai, sua mãe, seu marido, seus filhos (ou quem mais for importante na sua vida). Assim, com o tempo, você pode encontrar forças para assumir que seus desejos são, na verdade, diferentes daqueles que projetaram em cima de você, e pode descobrir que diferentemente do que pensava, ninguém vai deixar de amar você por causa disso.

Rua do Ouro, 93 - sl 201 - Serra - Belo Horizonte - MG

(31) 99919-5564